05 dezembro 2017

"O viver, sem ter amor, não é viver"

Aquela ferramenta do facebook que mostra o que aconteceu no mesmo dia há anos atras é uma das melhores coisas que já inventaram pra essa rede social. 
Até pouco tempo atrás, eu não sei o motivo, eu não tinha acesso às lembranças do passado que esse aplicativo disponibiliza. Eu ficava puta, porra, por que só comigo não dava certo?! Talvez tenha me poupado de muitas lembranças boas, mas de fato sei que muitas me desestabilizaria por completo. 
Hoje eu vejo o quanto isso é perturbador. Às vezes espero ansiosamente pra dar meia noite, pra que vire o dia e que eu possa saber o que eu fiz naquele dia há 5, 4 anos atrás ou até mesmo 1 ano, tanto faz. 
Sei que tanta coisa mudou, e quase nada mudou. Olhando de fora tudo é tão diferente, enquanto eu tento ser tão igual quanto era desde que me conheço por gente grande. 
Ontem, 4 de dezembro, me ocorreu uma lembrança tão linda e sincera, ela dizia em uma música coisas que eu sempre tive certeza. 
"O poeta só é grande se sofrer.
(...)
Todo grande amor, só é grande se for triste."
Eu sempre acreditei nisso. 
Sobre o poeta, não existe colocação mais verdadeira. Acho que nunca escrevi nada tão sincero quanto nas vezes que estava à beira da loucura. O fundo do poço, por vezes é o lugar mais propício para encontrar inspiração e transforma a mágoa nas palavras mais bonitas. 
Sobre o amor, eu espero um dia chegar a discordar (afinal não há nada mais lindo do que um amor sem feridas), mas ainda não posso afirmar. 
Quando não há sofrimento, quando não passamos por provações a todo momento, questionamos a profundidade desse sentimento. 
O aconchego, a confiança, o cuidado, não são suficientes? São eles que deviam representar esse sentimento tão banalizado. E não a dor, jamais a dor. Mas, é ela que mantém o poeta vivo, e ele que escreve, com tanto ardor, sobre amor. 

13 novembro 2017

Cabeça erguida, mãos atadas

Hoje eu vou mudar o corte de cabelo e comprar um batom vermelho. 
Vou colocar pra tocar meu dvd preferido e cantar a noite toda.
Amanhã, na véspera do feriado, eu vou ao karaokê (o meu lugar favorito no mundo) e vou cantar todas as músicas que me fazem dançar. 
Semana que vem eu viajo pra outro país e viajarei de avião pela primeira vez, já na outra semana estarei muito ocupada procurando algum curso de inglês ou de teatro. Desde criança o meu sonho é fazer teatro. 
Eu já cotei 5 academias de lutas pra começar a descarregar a minha energia em um tatame. 
Pretendo ficar com a mente e o corpo cem por cento ocupados, e talvez assim, e só assim no meio da noite eu não acorde pensando em você.
Talvez a minha insônia vá embora de vez pelo dia cansativo e se eu manter minha mente longe de tudo que me faz lembrar ou me faz querer voltar atrás pra te encontrar eu não tenha mais tempo para pensar em você. 
Pode ser que, como de praxe, sua lembrança vá anular qualquer coisa nova que eu me disponha a fazer pra te esquecer. 
Afinal há duas semanas que paro em cada bar de esquina pedindo uma bebida forte pra ver se a amnésia da bebedeira tira o seu sorriso da minha retina. 
Nem isso. Você está vivo dentro de mim, como jamais nunca esteve. Mas eu sigo, ando pelo shopping, compro um vestido novo e continuo à procura de encontrar um jeito de me bastar. 

31 outubro 2017

Adeus você

Você diz que vai embora, que vai levar contigo o pouco do doce que me restava da vida, diz que na mala não vai levar nem a saudade e me pergunta se por mim tudo bem. Não, não tá tudo bem. 
Não tá nada bem, porque assim que virar pra ir embora a última lembrança que terei será das suas costas e o quanto eu gosto de te observar assim.
Não tá tudo bem porque vou passar noites em claro observando a caixa de mensagem vazia. 
Não tá nada bem porque os cupons do restaurante que guardei pra você conhecer não servirão pra porra nenhuma, você me pediu pra te levar, lembra? É caro mas era um capricho que valia. 
Não tá nada bem porque toda quinta-feira eu vou te esperar no portão, ansiosa pela chegada com um sorriso fácil. 
Não tá nada bem porque vou excluir seu número, mas em  seu endereço eu chego de olhos fechados (e caso eu apareça, ignore). 
Não vou ficar bem porque não consigo assistir filmes diferentes e ouvir musicas novas, tudo que faço me lembram o quanto você é idiota e egoísta, porque não consigo me desprender de quem eu fui com você. Eu parei no passado, estacionei e fiquei. É cruel a vista daqui, parece tranquilo, mas a calmaria me tormenta. Prefiro a sua bagunça, prefiro suas mudanças de humor, prefiro seu furacão à qualquer outra coisa.  
Se você quer mesmo saber se por mim tudo bem, talvez amanhã fique tudo bem, mas hoje, dentro de mim é um abismo silencioso e mais nada que me invadiu e dominou.