05 novembro 2010

Lutaria por você, se pudesse


Destinatário : Forças armadas da França.


França - Paris , 25/11/1916.
Querido Alphonse,


Primeiramente, não aguento-me de saudades, sangrando cada dia mais, toda vez que penso em nossos momentos. Meu amor, sua ultima carta matou meu coração, todos aqueles homens mortos, e o pior, tu estava ferido, não consigo imaginar. Sei que deve ter sido difícil. Sei o quanto tu sofrestes. Só não entendo como ousa continuar lutando? Alphonse, meu Alphonse, estou tão preocupada contigo, já passaram dois anos, e continuas correndo esse perigo. Peço em minhas orações todos os dias para que essa guerra acabe, estou com tanto medo. Tenho tanto medo de perder-te. Gostaria que seus ferimentos fosse sentidos em mim, seria menos difícil, seria menos doloroso. Pena que não sei onde tu estás, pois se soubesse lhe buscaria ainda hoje.
Daqui a um mês é a data Natalina, e sinto saudades de quando aqui em Paris tudo ficava lindo nessa época. E lembro de um dia, exatamente dia 20/12/1910, o dia em que nos vimos pela primeira vez. Foi o dia mais feliz da minha! Lembro de todos os detalhes, da sua boina xadrez, e do chá de camomila que estava tomando com seu adorável amigo Noel. Meu mundo parou e só continuando girando em torno de ti, só de você. Sabes, hoje vejo o quão boba eu parecera aquele dia, minhas bochechas rosadas, e minha fala mais gaguejada, como pudera se apaixonar por uma moça tão boba? Como pudera fazer ma apaixonar por ti tão facilmente? Libertaste um sentimento tão sincero em mim, e nos completamos como um só. A partir daquele momento, soube que iria querer ficar contigo para sempre. Saiba o quão bem me fez ao aparecer em minha vida Alph, tu me deixaste com a sensação melhor de que um chá gelado no verão.
Neste exato momento estou derramando lágrimas por sobre a carta, não sei defina-lás se é de alegria, saudade ou preocupação. Minha caligrafia não está perfeita, mas foi tu que me tiraste todos os sentidos ao lembrar do seu jeito.
Querido, sei que está longe, sei que não posso lutar contigo, sei que não consigo contrair sua dor, mais saiba que eu sempre vou estar perto, sempre pensando ou sonhando contigo. Sempre em algum lugar. Dois anos se passaram, e sei que muito tempo ainda estar por vir, mas lhe prometo que lhe esperarei o tempo que for, sei que você vai ficar bem, sei que vai voltar pra mim e nós iremos nos casar e ter nossa filha Claire. Porque essa distância não me impede te te amar. Não me impede de te querer. E definitivamente, não me impede de ter esperança e sonhar com um futuro próximo para nós dois. 
Estarei aqui quando você voltar, e estarei disposta a lhe fazer feliz.


com amor Mabell. 



( carta com o tema " Essa distância não me impede te te amar. ", que abordei o assunto da primeira guerra mundial, não sei muita coisa sobre a frança e  o que falavam naquela época, por isso está um pouco louca, rs. Foi feita para o projeto do " Na expressão " , merece ganhar ? *-* )

8 comentários:

  1. merece sim! o tema foi abordado de forma sentimental mas ao mesmo tempo com a formalidade e substancia da epoca.
    excelente texto! parabens!

    ResponderExcluir
  2. Muito bonito o texto, é sua marca registrada :)

    ♫ ♪ Musilítica & Blá Blá Blá

    Música e Política juntas em duas causas: Paz e Diversão.
    www.musilitica.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Lindinho seu blog... o texto tbm muito bom ^^

    http://profanofeminino.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. te dediquei um selo no meu blog gabi :D
    olha la.

    beijooos

    ResponderExcluir
  5. está aqui >> http://juliane-bastos.blogspot.com/p/conquistas-do-blog.html

    ResponderExcluir