13 agosto 2013

Monofobia

UntitledHoje eu queria escrever sobre amor. Sabe aqueles textos, românticos e clichês que você se identifica logo no primeiro paragrafo? O tipo de texto que traz suspiros, e comentários de gente apaixonada que pensa na pessoa que esteve na ultima noite. Mas o mal humor da literatura dentro de mim, faz as palavras fugirem. Acho que meu eu lírico não me deixa escrever sobre o que eu não sinto. Não mais. 
Gostaria de escrever para aquela pessoa que pensei na ultima noite também. Eu queria escrever pra você. Mas sabe, não é amor. Mas eu gostaria que fosse. Acho que não nasci pra ser livre, não falo sobre a liberdade de ir, vir e pensar. Não nasci pra ser livre de sentimentos. É isso, eu gosto de me prender a sentimentos inexplicáveis e sentir aquelas borboletas revirarem meu estômago. Porém tudo esta em falta. É comum sentir medo desse vazio? A solidão ecoa pelas paredes do quarto, e eu confesso, até mesmo a palavra me assusta. Me sentir sozinha, me sentir vazia nunca esteve nos meus planos.
Eu queria acabar com essa necessidade de ser preenchida, queria mesmo me sentir feliz dessa maneira, mas preciso de algo pra me inspirar, tanto nos textos quanto na vida, que convenhamos é sempre mais bonita quando esse tal amor - puro e simples - está ao redor ou dentro de nós.

Hoje eu queria falar sobre amor. Talvez essa necessidade passe de um dia para o outro, quem sabe eu me acostumo a ser assim sozinha. Talvez não.
Amanhã eu quero escrever sobre amor. Quero escrever sobre amor todos os dias porque é só isso que sei fazer. Mas espero poder ir além disso novamente um dia. Poder escrever, sentir e cultivar. Porque é isso que além de tudo amo fazer.

Um comentário:

  1. Boa tarde :)
    Quanto tempo >.<
    Como vai?

    Belo texto.
    AS vezes,falar sobre amor não é tão simples (nem tão meloso) quanto parece....
    Beijos e se cuida

    Rimas Do Preto

    ResponderExcluir